Projetos

Olho Mágico - Educomunicação Audiovisual em Mídias Móveis

De olho na cidade – Educomunicação para o fortalecimento da luta em defesa do direito à terra urbana

05-07-2011
O coletivo fomenta novas formas de mobilização social, por meio de atividades educativas, com uso de ferramentas de comunicação de fácil acessibilidade. O grupo visa compartilhar saberes técnico/políticos, sobretudo com as juventudes periféricas, propiciando a sujeitos historicamente silenciados o registro e veiculação audiovisual de memórias coletivas e reivindicações populares, no Ceará.

O Olho Mágico é composto por jovens militantes pela democratização da comunicação, comprometidos com o ativismo social contra as violações de direitos humanos. Movidos por uma visão de mundo comum e pelo desejo de contribuir com as mobilizações populares, participaram de movimentos e ONGs, junto aos quais desenvolveram ações de educação popular através do emprego de saberes técnicos específicos da área da comunicação alternativa e do audiovisual, dificilmente acessados pelas juventudes das periferias.

Os integrantes do Olho Mágico já capacitaram dezenas de jovens por meio da criação de núcleos de produção audiovisual em bairros como Serviluz, Trilhos e Ancuri, em Fortaleza; contribuíram com a instalação de rádios comunitárias ligadas ao MST; participaram do projeto “Escola de Mídia” e dos Festivais de Jovens Realizadores em Audiovisual.

Contexto

Mesmo com um déficit habitacional de 277 mil domicílios e precários sistemas de saneamento básico e de saúde, o Governo do Estado do Ceará e a Prefeitura da Capital pretendem investir cerca de R$ 560 milhões para receber no máximo quatro jogos da Copa do Mundo de 2014. O dinheiro será gasto em obras de duplicação de vias e construção de um VLT (veículo leve sobre trilhos) que privilegiará a ligação do setor hoteleiro ao estádio de futebol.

Com o argumento da Copa, profunda “higienização social” será realizada, pois setores populares, principalmente comunidades constituídas por ocupações urbanas, serão removidos para regiões limítrofes, sem infraestrutura básica, acesso a transporte, creches, etc. As remoções afetarão, segundo dados oficiais, 3,5 mil famílias, número que chega a ser duplicado de acordo com movimentos sociais. O grupo Olho Mágico integra o Comitê Popular da Copa, que tem atuado em estratégias de resistência e publicização das violações de direitos humanos nesse contexto.

Projeto

O objetivo do grupo é orientar 60 jovens de Fortaleza para a produção de documentários que divulguem e fortaleçam a luta por direito a terra e à moradia. Serão criados núcleos de produção/distribuição de vídeos, em parceria com ONGs e associações de moradores que atuam nas comunidades Aldacir Barbosa, Trilhos e Barroso, ameaçadas de remoção em função de obras relacionadas à Copa de 2014.

O coletivo pretende mobilizar a juventude na resistência às remoções, capacitando-as para a produção de vídeos que irão divulgar a segregação social em curso; valorizar histórias e memórias coletivas; sensibilizar produtores e demais moradores. Reuniões preparatórias, seguidas da formação dos núcleos e oficinas de produção de vídeo com mídias móveis, como celulares e máquinas fotográficas, vão possibilitar a continuidade das ações após a finalização do projeto. A exibição das produções fomentará debates sobre o tema.

Além dos 60 jovens participantes do projeto, as ações vão alcançar as 7 mil famílias passíveis de remoção.