Projetos

Movimento de Mulheres do Nordeste Paraense – MMNEPA

Rompendo as barreiras do silêncio da violência contra a mulher e clamando pelos direitos no nordeste paraense

29-06-2009

O movimento defende os direitos das mulheres sob a perspectiva de lutar para que a sociedade e o poder público reconheçam esses direitos e garantam condições concretas para o exercício pleno da cidadania. O MMNEPA realiza encontros de formação das mulheres nos temas saúde e sexualidade; orçamento público e participativo; gênero e políticas públicas; violação de direitos; e as diretrizes da Lei Maria da Penha. Além disso, é feito o acompanhamento aos grupos de mulheres das zona urbana e rural dos municípios paraenses, incentivando a participação delas nos conselhos municipais e estadual para a garantia das políticas publica.

O movimento marca presença em eventos municipais, estaduais, nacionais e internacionais e outros coletivos, como o Fórum Social Mundial, a comemoração dos Dias Internacional da Mulher, os Gritos do Campo e da Terra Brasil, Marcha das Mulheres em Belém e em Brasília, o Encontro Feminista Latino-Americano e do Caribe contra a Violência Sexual e Doméstica, e a Campanha de Combate à Violência Contra a Mulher.

Projeto

Rompendo as barreiras do silêncio da violência contra a mulher e clamando pelos direitos das mulheres da região no Nordeste Paraense é um projeto que vai promover a valorização da mulher como ser humano, garantindo seu espaço na sociedade com respeito e dignidade.
Serão desenvolvidas ações integradas e articuladas com os grupos de mulheres e outras organizações, para discutir as condições em que vivem as mulheres, na cidade e no campo. Debates, pesquisas, seminários e oficinas sobre a condição da mulher na vida política, socioeconômica, ambiental e cultural, inclusive sobre fatos que configurem a discriminação existente para a eliminação todas as formas identificáveis de violação dos direitos garantindo e para efetivar a implantação de políticas públicas.
A proposta do movimento é combater as violações de direitos que se fizeram invisíveis, esvaziadas do seu sentido público e, portanto, na sua significação política. O velho ditado popular que diz "em briga de marido e mulher ninguém mete a colher" deve ser revertido para "se mete a colher, sim", por meio da capacitação e treinamento dos grupos de mulheres do nordeste paraense na temática de violência de gênero, e com o levantamento e sistematização de dados sobre essa violência. A meta é implementar a Rede de Enfrentamento
O movimento vai realizar campanhas de divulgação de informações sobre a violência contra as mulheres e criará um folder informativo sobre a temática com base nos dados levantados.

Responsável pelo projeto: Eliza Teixeira do Carmo, elizacarmo@hotmail.com