Projetos

Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (Pernambuco)

Fortalecer para superar preconceitos

29-06-2012

 

O projeto selecionado prevê a realização de oficinas com travestis e pessoas vivendo com HIV/Aids (PVHA) internas no presídio Prfº. Aníbal Bruno, na cidade do Recife (PE), com o objetivo de fortalecê-las para o enfrentamento à discriminação e à violência sofrida dentro do sistema penitenciário. A proposta é atender diretamente 20 travestis, 20 PVHA e 20 apenados HSH (pessoas nascidas homens que fazem sexo com pessoas nascidas homens).

O grupo também irá promover ações de prevenção a DSTS/HIV/Aids entre a população do presídio e seus familiares, por meio da difusão de informações de práticas sexuais seguras, da distribuição de  insumos de prevenção (preservativos e géis lubrificantes) e de material educativo.

Contexto

O presídio Professor Aníbal Bruno é o maior em contingente humano do Nordeste, acolhendo cerca de 4 mil reeducandos, entre homens e travestis, que vivem em situação de precariedade. As PVHA sofrem com o preconceito e a discriminação, sendo retiradas de seus pavilhões e alojadas em uma enfermaria, ainda que seu estado de saúde não indique a necessidade da medida.

A população do presídio, em geral, tem acesso bastante restrito a informações sobre DSTS/HIV/Aids e as formas de prevenção. As travestis são as primeiras a sentir as consequências dessa realidade. Via de regra, são obrigadas a manter relações sexuais com todos os homens que ocupam o pavilhão em que habitam.

Além disso, as travestis têm a identidade de gênero não reconhecida, sofrendo uma gama de desrespeitos, sendo tratadas como pessoas de "segunda categoria". A elas também são reservadas as atividades de limpeza, lavagem de roupas e demais serviços considerados "domésticos", sem qualquer remuneração. Quando se recusam em assumir essas atividades, são vítimas de espancamento e de mais abusos sexuais.

Sobre o GTP+

O grupo tem como missão acolher e fortalecer as PVHA e os profissionais  do sexo (homens, travestis e mulheres transexuais). Primeira ONG criada e coordenada por PVHA no Nordeste, o GPT+ atua há 11 anos.

Entre as atividades realizadas está o acolhimento e encaminhamento de PVHA ao atendimento terapêutico especializado e/ou à assessoria jurídica; palestras e seminários sobre Direitos Humanos; promoção da segurança alimentar de PVHA; e execução dos projetos de vacinas preventivas e curativas para o HIV e das estratégias biomédicas de prevenção. 

Na área de prevenção a DSTS/HIV/Aids, o grupo desenvolve o projeto "Mercadores de Ilusões", que promove a  prevenção, a cidadania, o protagonismo e autonomia dos profissionais do sexo.

O grupo tem representações em instâncias e espaços de controle social, atuando na construção de políticas e no desenvolvimento de ações de promoção dos direitos humanos. Filiado à Abong - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais; o GTP+ integra ainda: a Articulação Aids em Pernambuco, fórum que reúne 34 organizações da sociedade civil e redes que atuam na prevenção e assistência as DST/HIV/Aids; o Fórum de Mulheres de Pernambuco; o Conselho Gestor do Hospital Oswaldo Cruz; o Conselho Gestor do Hospital da Restauração;  o Comitê Assessor de Vacinas Anti-HIV do Departamento Nacional de DST/Aids do Ministério da Saúde; o Conselho Gestor Estadual - SPE (Saúde e Prevenção nas Escolas); o Comitê Nacional Comunitário de Vacinas anti-HIV; o Comitê Comunitário de Acompanhamento de Pesquisa em HIV (CCAP-PE); o Conselho Municipal de Assistência Social (CMAS-Recife-PE); e a Coordenação Colegiada Comitê Estadual de Combate ao Tráfico de Seres Humanos.

 

Edital:

Este projeto foi selecionado no âmbito do Edital Anual 2012.