Projetos

Coletivo de Mulheres Calafate (Bahia)

Coletivo de Mulheres do Calafate: 20 anos em defesa dos direitos humanos das mulheres do Calafate

29-06-2012

 

O grupo vai mobilizar mulheres moradoras da comunidade do Calafate, em Salvador (BA), na luta pela garantia dos direitos humanos. O foco é combater a discriminação por gênero, raça, etnia, orientação sexual e condição econômica. A proposta é divulgar informações sobre essas questões, oferecendo caminhos para o acesso a direitos e para o exercício da cidadania.

O coletivo constata que a ausência de um conhecimento mais aprofundado e/ou ampliado sobre direitos humanos ainda persiste na própria organização e na comunidade em que atua. De acordo com o grupo, o reflexo disso é a naturalização a violência vivida pelos moradores e moradoras do Calafate. As mulheres, especialmente, sentem-se amedrontadas diante da violência policial sofrida e não acreditam na possibilidade de terem seus direitos garantidos, por se considerarem excluídas pela condição de serem mulheres, negras e pobres.

O resultado é a impunidade diante das violações dos direitos dessas pessoas. Segundo o coletivo, nenhuma iniciativa governamental é realizada com intuito promover o exercício da cidadania na comunidade do Calafate. Somado a isso, a veiculação de uma imagem negativa, divulgada pela mídia tradicional e pela Polícia Militar, faz com que moradores(as) incorporem a exclusão, a marginalidade e a morte precoce dos(as) jovens negros(as) como processo natural dos bairros periféricos.

Diante desse contexto, o coletivo percebe a necessidade de fortalecer as mulheres lideranças que ainda acreditam na lutar pelos seus direitos e os direitos de outras mulheres, no âmbito comunitário e/ou articuladas em âmbito municipal, estadual e nacional.

Atividades

Primeiramente, será realizado um encontro com líderes, articuladoras, que vão aprofundar o debate sobre direitos humanos; em seguida, divididas por oito áreas pré-definidas, essas mulheres vão divulgar as informações pela comunidade, incentivando as moradoras a atuarem em defesa desses direitos; por fim será realizado o "II Encontro do Coletivo de Mulheres do Calafate", que deve conseguir repercussão na mídia local e nas redes sociais.

O projeto comemora os 20 anos do coletivo, criando um espaço de troca de experiência e incidência política. Cerca de 1,2 mil mulheres – adolescentes, jovens, adultas e idosas - podem ser direta ou indiretamente alcançadas pela ação.

Sobre o coletivo

O coletivo é uma organização comunitária feminista que realiza atividades para o fortalecimento da autoestima, autonomia e empoderamento das mulheres da comunidade do Calafate, na Bahia. O grupo tem como missão acabar com a violência contra as mulheres, no intuito de promover a saúde e os direitos humanos.

Palestras, oficinas, rodas de conversas e grupos focais de estudo são as metodologias utilizadas para levar informações à comunidade. Atualmente, o coletivo vem desenvolvendo o projeto Turismo Comunitário, que tem o objetivo desmistificar a imagem negativa da comunidade divulgada pela mídia tradicional.

O grupo articula-se para melhor intervir e propor políticas públicas de direitos das mulheres, atuando em conselhos, conferências, redes mistas - comportas por organizações governamentais e não governamentais (OGs e ONGs) -, e no movimento feminista.

Entre as organizações com as quais o coletivo se relaciona diretamente estão a Rede Social do Calafate; Rede de Atenção as Mulheres em Situação de Violência; e a Articulação de Mulheres Brasileiras, através da Articulação de Mulheres da Bahia. O grupo tem parceria ainda com o Gapa – Grupo de Apoio à Prevenção à Aids e com a Associação Estrela Brasil, na promoção de Tour Comunitários Sustentável e Solidários. Participa ainda de projetos de pesquisa e extensão da UFBA – Universidade Federal da Bahia, com enfoque na temática violência contra as mulheres e mediação de conflitos, e da UNEB – Universidade Estadual da Bahia, com enfoque no Turismo de Base Comunitária.

 

Edital:

Este projeto foi selecionado no âmbito do Edital Anual 2012.