Projetos

Associação de Afro Desenvolvimento Casa do Boneco de Itacaré

O Direito é Humano!

05-07-2011

A associação tem como missão aliar apropriação cultural à sustentabilidade comunitária. Atualmente estrutura-se nos seguintes núcleos e atividades: Educação Quilombola - seminários, diálogos, estudos e pesquisas a respeito da lei 10.639, promoção da educação para igualdade racial; Cultura Afro - atividades de dança afro, percussão, festas populares; Apropriação Tecnológica - circuitos de aprendizados com diferentes tipos de tecnologias sociais (dentre elas as tecnologias da Comunicação – blogs, jornais, rádios web); Sustentabilidade Comunitária - implementação da Fazenda Modelo Quilombo Doiti e do Turismo Étnico de Base Comunitária; Pontinho de Cultura / Ludicidade - programa de atenção a crianças negras.
O grupo integra a Rede Mocambos (www.mocambos.org), o Fórum Baiano de Juventude Negra, a Rede Turisol – Turismo Solidário, a Rede de Pontinhos de Cultura, e o Grupo Japer – Plano de Ação Conjunto do Brasil e Estados Unidos pela Promoção da Igualdade Racial e Étnica.

Projeto

Com o projeto selecionado pelo Fundo Brasil, o grupo pretende colaborar para a reflexão e difusão de informação sobre a discriminação no acesso ao serviço público, com foco na saúde, a partir da produção do jornalismo comunitário, de debates e feiras. A proposta é abordar a discriminação que a comunidade negra local enfrenta em relação ao acesso aos serviços públicos, com destaque para o serviço de saúde.

De acordo com o grupo, em Itacaré (BA), um dos mais badalados destinos turísticos do país, uma minoria da população com renda média/alta, acessa serviços particulares de saúde nas cidades vizinhas, enquanto os mais pobres, predominantemente negros(as), têm imensas dificuldades de atendimento.

O problema se revela ainda mais grave na zona rural, onde estão as comunidades quilombolas. Nessas áreas, os agentes de saúde se limitam a pesar e vacinar as crianças. Além disso, não existe serviço de emergência e as comunidades não têm acesso a transporte para deslocamento de pacientes. Em muitos casos, quem precisa de atendimento é deslocado em pedaços de madeira e carregado nos ombros de outras pessoas.

O projeto vai dar visibilidade a essas questões, gerar debates e provocar o poder dos gestores e dos eleitores a intervirem no processo. A partir de diagnóstico atualizado da situação e do envolvimento dos jovens da Redação do Jornal Comunitário Itacaré Mostra sua Cara e de voluntários, serão realizados debates e produzidas informações para a comunidade. A feira de saúde será o principal palco das mobilizações.

Com os eventos, cerca de mil pessoas devem ser atingidas diretamente e outras quatro mil indiretamente.