Projetos

Associação Beneficente Cultural Carnavalesca Amuleto

Voz e vez: Atitude negra em direitos humanos

05-07-2011

A associação desenvolve ações inclusivas utilizando a arte, a música, cultura e educação e cidadania como meio de amenizar a exclusão social da comunidade em situação de risco social. Seu público alvo são jovens, meninas e mulheres, tendo como foco as questões de gênero e raça, onde se revela fortemente o processo de exclusão.

Em meio aos projetos já realizados, o de maior participação é “Preservação das Tradições Populares”, que tem por objetivo manter aceso o legado cultural afro-brasileiro e “Por uma questão de gênero e raça”, com atuação na família para combater o abuso sexual, a violência doméstica e as violações dos direitos humanos.

A missão da organização é contribuir na difusão, preservação, transversalidade do legado cultural e ancestral africano, em conjunto com a sociedade num processo de inclusão e integração. Ampliar essa reconstrução social de valores que não reproduza estereótipos discriminatórios priorizando a equidade de gênero, raça, com respeito às diversidades em etnias, religiosidades e orientação sexual.
 
A organização faz parte das seguintes articulações: Mulheres Negras, Observatório da Discriminação Racial e da Violência Contra a Mulher e LGBT, Mundo Afro, Rede de Mulheres de Povos Tradicionais, e do Programa Ouro Negro.

Projeto

Com o projeto apoiado pelo Fundo Brasil, o grupo pretende atuar no combate à discriminação, ao racismo e à violência institucional, considerando as dimensões e as vivências das mulheres negras lésbicas de Salvador (BA).

A proposta é construir estratégias de fomento ao desenvolvimento dos direitos humanos, da cidadania e da justiça, na perspectiva emancipatória das mulheres negras lésbicas. Serão desenvolvidos ações e mecanismos coletivos de combate ao sexismo, ao racismo e à lesbofobia na sociedade baiana; além do atendimento social, psicológico, jurídico e pedagógico às mulheres negras lésbicas vítimas de violência.

A partir da realização de seminários, encontros e da produção de materiais de divulgação, como cartazes, cartões, folders, o grupo estima atender diretamente 90 mulheres e orientar outras cerca de 200 pessoas no decorrer das atividades.